OIT promove discussão sobre papel da inspeção no combate ao trabalho forçado

Imprimir em PDFImprimir em PDF

BRASÍLIA (Notícias da OIT) – O Escritório Regional da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para a América Latina e o Caribe, com o apoio do Programa Especial de Ação para o Combate ao Trabalho Forçado da OIT, promoverá um amplo debate sobre o papel da inspeção do trabalho no combate ao trabalho forçado. “Inspeção do Trabalho e Trabalho Forçado” é o título do seminário que será realizado entre os dias 18 e 20 de junho nas instalações da OIT em Lima, Peru.

O Seminário tem como objetivo principal compartilhar as experiências de diversos países sobre como a inspeção do trabalho pode contribuir para o combate ao trabalho forçado na América Latina “e encaminhar o desenvolvimento de ferramentas e estratégias para melhorar a capacidade dos países para enfrentar a problemática do trabalho forçado”, diz o diretor do Escritório da OIT para a América Latina e o Caribe, Jean Maninat.

A experiência brasileira no combate ao trabalho forçado deverá ganhar destaque durante o encontro. Desde 1995, com a criação do Grupo Móvel de Combate ao Trabalho Escravo, o governo brasileiro tem conseguido importantes avanços no resgate de trabalhadores submetidos à escravidão.

As ações do Grupo Móvel já conseguiram resgatar mais de 25 mil trabalhadores. No Relatório “Uma Aliança Global contra o Trabalho Forçado”, lançado pelo Diretor-Geral em maio 2005, a OIT reconheceu a experiência brasileira nesta área como um avanço e uma das mais importantes iniciativas tomadas para o combate a este crime.

Além da Coordenadora Nacional do Projeto de Combate ao Trabalho Escravo da OIT, no Brasil, Andrea Bolzon, mais quatro representantes brasileiros participarão do seminário. Uma das principais atividades do evento será a apresentação da experiência brasileira nesta área. Participarão Marcelo Campos e Diana Rocha, da Secretaria de Inspeção do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, o procurador Jonas Ratier Moreno, do Ministério Público do Trabalho, e Paula Morales, do Departamento de Polícia Federal.

16/06/2008